Fenômenos bizarros em restaurante de Nova York levam funcionários a crer em fantasma

Fenômenos bizarros em restaurante de Nova York levam funcionários a crer em fantasma

Fenômenos bizarros em restaurante de Nova York levam funcionários a crer em fantasma

Nenhum comentário em Fenômenos bizarros em restaurante de Nova York levam funcionários a crer em fantasma
0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 0 Flares ×

Em uma manhã escura de setembro de 2006, Miguel Vargas chegou para trabalhar no restaurante Sweetwater, no Brooklyn. Ele destrancou e levantou o portão de segurança, deu dois passos para dentro e viu uma mulher de perfil, andando pelo salão em direção às escadas do porão.

Era uma mulher de meia-idade, com cabelos grisalhos e vestida de branco, com uma espécie de vestido de casamento, disse ele, mas não desse século. E ela parecia corpórea, “normal”, disse Vargas, nada nebulosa ou translúcida como na televisão.

“Eu sabia que era um fantasma no momento em que vi. Eu disse: ‘OK, é isso’. E fui embora.” Na meia hora seguinte, ele ficou do lado de fora, tremendo. Quando Vargas, porteiro do local, contou para seus chefes, eles riram.

Mas o porteiro anterior tinha se demitido em pânico, disseram funcionários. Ele estava cochilando em cima de uma mesa no porão e alegou ter visto “o demônio” em pé ao seu lado. E outros funcionários desse bistrô americano relataram acontecimentos estranhos: música ligando sem explicação; luzes piscando; manchas luminescentes no porão; e a sensação de estar sendo observado por uma presença invisível.

Então houve um episódio assustador há poucas semanas. Enquanto escavavam o chão do salão para reforçar as vigas de apoio, funcionários desenterraram um túmulo contendo uma estátua de quase oito centímetros da Virgem com o menino, um minúsculo anel de ouro, um par de sapatos boneca de criança e fragmentos de ossos que a dona do restaurante, Nina Brondmo, descreveu como sendo “provavelmente de um animal pequeno”.

Eles enterraram novamente os sapatos e os ossos, colocar a estátua em exposição atrás do bar e um ajudante de garçom ficou com o anel.
“Depois disso, todos os copos começaram a quebrar”, disse o gerente Wesley Ham, 35. “Você pegava um copo e ele se estilhaçava na mão, ou você olhava e os copos na estante começavam a rachar. Às vezes, eram uns 20 por dia. Eu achei que o fantasma não estava feliz com o fato de seus pertences terem sido tirados do túmulo.”

 Fantasma “identificado”

Acredita-se que identidade do fantasma, para aqueles que creem no sobrenatural, seja a de Anna Smith, filha mais velha de Charles Szyjka, também conhecido como Willie.

A família Szyjka (Shei-ka) comprou o prédio em 1924 por US$ 15 mil, de acordo com os registros imobiliários. Eles a transformaram a pousada, construída em 1899, em um restaurante e bar com dois apartamentos na parte de cima, onde viveram por décadas.

Os Szyjka, com raízes na Áustria e Ucrãnia, faziam parte de um fluxo de imigrantes da Europa central que saíram do movimentado Lower East Side em direção ao bairro de Williamsburg depois da conclusão da ponte Williamsburg em 1903. Ao contrário do que é o bairro hoje, as classes trabalhadoras haviam afastado os ricos, derrubando mansões para construir prédios residenciais, de acordo com John B. Manbeck, ex-historiador do bairro do Brooklyn.

A primeira mulher de Szyjka, Katherine Rusyn, morreu ao dar à luz a Smith. Ele então se casou com a irmã mais nova de Katherine, Eva. Ela morreu dias depois de dar à luz um filho, Michael. Essas mortes provavelmente aconteceram em casa, diz Manbeck.

Depois da morte da terceira mulher de Szyjka, Jennie, em 1952, e da morte dele em 1955, Smith herdou o negócio. Ela continuou vivendo no andar de cima e administrando o bar durante os anos 60, servindo café da manhã de graça para trabalhadores de um matadouro que haviam substituído os marinheiros. Eles frequentavam o lugar para tomar destilados antes de seus turnos, de acordo com Peggy Ambrosio, uma prima que cresceu nos arredores do restaurante.

“Anna era bastante conhecida no bairro”, diz Ambrosio, 76. “Ela frequentava todas as igrejas. Ela frequentava a igreja russa, a igreja polonesa, ela frequentava a igreja ortodoxa.”

Durante uma recessão econômica nos anos 70, Smith encerrou o negócio. As fábricas haviam fechado as portas e o bar estava sendo roubado e vandalizado com frequência, disse sua sobrinha, Susan Sheldon.

“Uma vez roubaram o cofre”, disse Sheldon, 61. “Ela estava voltando da igreja e eles estavam rolando o cofre pela rua.”

Por muitos anos, disse Sheldon, Smith foi a única pessoa a morar no quarteirão. A família implorou para que ela saísse dali, mas ela se recusou. No final dos anos 80, ela finalmente se mudou para um asilo em Manhattan, mas falava sem cessar em voltar para a North Sixth Street. Ela morreu em 2003.

“Equipe é supersticiosa”

O Streetwater abriu há nove anos. Em uma tarde recente de sexta-feira, um grupo a caminho do happy hour aproximou-se silenciosamente do bar e alguns madrugadores olhavam o cardápio no salão. A luz empoeirada que passava pelas frestas das janelas, iluminando o chão de cerâmica e decorando o teto de estanho, tornava fácil imaginar a época em que os construtores de navios e carregadores de mercadorias se reuniam ali. Alguns desses homens e suas companheiras estão imortalizados nas fotos na parede.

Brondmo vive no antigo apartamento de Smith. Ela o dividia com o marido, Pablo Arganaraz, chef e coproprietário do restaurante, que morreu em 2013. Ela não acredita que o prédio seja assombrado e acha que a equipe é supersticiosa. Quanto aos copos quebrados, ela diz que as vibrações por causa da britadeira durante a obra no restaurante provavelmente fizeram com que rachassem.

Cesir Sanchez, 43, o funcionário que pegou o anel de ouro, usa-o apertado na ponta de seu dedo mindinho esquerdo. Ele não está preocupado em ofender uma aparição.

Sheldon, que vive em Las Vegas, e Ambrosio visitaram o Sweetwater há alguns anos. Arganaraz contou a Sheldon que a música ligava quando ele estava sozinho à noite e as luzes piscavam.

“Isso é a tia Anna”, disse Sheldon. “Ela tinha uma tonelada de discos. Ela adorava música. E adorava sair para jantar.”

Referência:

Tradutor: Eloise De Vylder
The New York Times Chadwick Moore
De Nova York (EUA)
02/11/2014.

http://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/the-new-york-times/2014/11/02/apos-fenomenos-bizarros-em-bar-de-nova-york-funcionarios-creem-em-assombracao.htm

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 0 Flares ×

Deixe um comentário

Redes Sociais

Back to Top

0 Flares Facebook 0 Twitter 0 Google+ 0 0 Flares ×